ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 73ª edição | 05 de 2009.

Seminário “Espiritismo e Sociedade” no Luz Eterna

Foi no sábado, 16 de maio e reuniu três expositores e público de aproximadamente 200 pessoas. Na parte da manhã, após a abertura e uma apresentação musical do Grupo Vocal Mensageiros da Paz, Ney Paulo de Meira Albach falou sobre “Espiritismo e Cidadania”. Declarou inicialmente que a instalação do reino de Deus na Terra se dá pelo trabalho do homem provocando “a força das coisas” a que se referiu Kardec.

Depois leu trecho do livreto “O reino” no qual o autor, Herculano Pires, critica os reinos materiais dos homens para a seguir assinalar os três fundamentos do reino verdadeiro: Deus, amor e justiça. Ney ilustrou com a crise financeira mundial e enfatizou que “a filosofia espírita não permite que o homem permaneça alienado dos fatores estruturantes do planeta”. Mencionou a parábola evangélica do ‘moço rico’ e leu trecho do discurso do senador Pedro Simon onde este questiona sobre quem está pior com a crise: se os poucos que perderam milhões ou os três bilhões de pessoas que vivem com menos de dois dólares ao dia, metade dos quais com apenas um dólar. E o expositor lembra a receita formulada por Kardec e os Espíritos da Codificação, sintetizada na questão 798 de O Livro dos Espíritos: a educação.

Criticou os exageros do consumismo e a exacerbação dos lucros que despreza a grave questão do aquecimento global. Antes de responder as perguntas do público, seguindo o raciocínio de Simon cuja preocupação, segundo o discurso, estaria no básico e não no supérfluo e, portanto, naquilo já defendido na Constituição Federal, Albach leu os cinco princípios fundamentais da Carta Magna Brasileira, dos quais um é a cidadania e dentre os 77 incisos, o terceiro reporta-se à dignidade humana.

Advento do Humanismo Espiritualista

Rubens Corrêa apresentou o terceiro tema: “Advento do Humanismo Espiritualista”. O processo da Humanidade não é aleatório, pois o homem vai adquirindo entendimento. Com o surgimento de O “Livro dos Espíritos” temos a base do “Humanismo Espiritualista”. O mundo está se degradando de um modo geral; tudo esta à venda e o “Humanismo Materialista” tomou conta. Tudo tem um preço: a dignidade, a verdade, a moral, o poder.

A humanidade está sendo deseducada espiritualmente. Não podemos ficar de braços cruzados. É nosso dever levar a nossa doutrina para o mundo, pois sabemos que o “ser” tem que prevalecer ao “ter”.

A banda AlmaSonora fez uma apresentação musical que fechou a programação.

A Evolução Biológica em Direção à Espiritualidade

Célio Trujillo Costa foi o primeiro expositor da tarde. Para ele, a evolução do cérebro tem o sentido e poder de ordem e de organização. Existe uma área no lobo temporal direito que estimula os sentimentos religiosos. Este é o lado espiritual.

O exercício do amor permitirá a evolução da área de manifestações espirituais com a construção cerebral do homem do futuro, o “Homo Espiritualis” no qual prevalecerá a elevação moral e o desenvolvimento intelectual e desta forma poderemos transformar nosso cérebro e nossa vida.

Os sentimentos religiosos podem ser estimulados em pessoas religiosas e não religiosas. Em relação a estas últimas que, em inúmeras vezes, não acreditavam sequer em Deus, as mesmas mudaram totalmente de opinião após terem como experiência o fenômeno de “EQM”- Experiência de Quase-Morte. Os próprios relatos destas pessoas fornecem detalhes extraordinários.

Temos o exemplo de uma criança de quatro anos de idade que sofreu uma parada cardíaca e que, após ter sido estabilizada, pediu ao médico lápis e papel e deu início ao desenho de uma linda paisagem para a qual disse ter sido levada por uma senhora que conversou com ela por todo o tempo em que estava sendo monitorada por todos aqueles aparelhos, tendo a mesma contado várias histórias que estavam relacionadas com sua mãe.

A mãe da criança ficou emocionada, pois a única pessoa que poderia saber sobre estas histórias era a sua mãe, avó da criança. Após a alta hospitalar, ao chegar em casa, sua mãe mostrou-lhe um álbum antigo de fotos e, em uma fração de segundo, a criança ficou com os olhos marejados e com a mão começou a fazer carinho na foto que estava naquela página e com muito entusiasmo, disse: - Mamãe foi essa vovozinha que esteve comigo e contou as histórias sobre a senhora.

A partir desse momento não houve mais dúvidas e a mãe da criança passou a acreditar na existência da Espiritualidade.

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2019 / Desenvolvido por Leandro Corso