ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 86ª edição | 07 de 2011.

Garota reencarnada vive um feliz retorno ao lar em South Delhi (1)

     Foi como se estivesse vivendo um milagre para uma família gujjar que vive em South Delhi (Índia) quando a pequena Manisha, de quatro anos de idade, caminhou para a direção das lembranças da filha deles, que havia falecido cinco anos antes. Manisha garantiu que era ninguém menos que Suman, que havia morrido vítima de febre tifoide com a idade de 15 anos, em 14 de dezembro de 2000.


     A criança que, aparentemente, tem vívida memória do seu último nascimento, imediatamente dirigiu-se aos seus pais da última encarnação como se fossem seus. “Ela correu para nossos braços quando nos viu. Apontou para mim e afirmou: ‘não é aquele, esse é o meu pai’”, disse Chaudhary Kamal Singh, seu pai do nascimento anterior. A família, em êxtase, removeu a guirlanda que adornava a fotografia de Suman em seu quarto. A pequena garota está agora vivendo com eles, junto com os “novos” pais, formando uma grande família feliz.
Manisha nasceu de Rampal e Khilli Devi em uma pequena vila chamada Milakpur, próximo de Alwar, no Rajastão. Com a idade de dois anos, logo que começou a falar, ela teria começado a dizer aos pais que era Suman e não Manisha. “Ela dizia: meu nome é Suman, não diga Manisha”, lembrou Khilli Devi, a “nova” mãe que a gerou neste nascimento.


     À medida que cresceu, ela teria começado a lembrar mais sobre seu nascimento anterior e disse aos pais que o nome de seu pai era Kamal e de sua mãe, Santosh. “Ela nos disse que morava numa casa de rua pavimentada, próxima a um templo, com três irmãos. Quando nos falou das cores das roupas da escola não compreendemos, pois ainda não tinha começado a estudar. Ela falou que havia morrido de tifoide”, disse Mallo, sua avó.


     A notícia sobre a garota espalhou-se nas vilas vizinhas e ela parece ter chegado aos seus “antigos” pais através de alguns parentes comuns, que moram em duas vilas do Rajastão, Tejara e Tihli, 30 km próximas. Disse Kamal: “Alguém nos falou que havia uma garotinha que poderia ser Suman já que diversos detalhes que deu sobre sua última encarnação se relacionava conosco. Fui à sua vila e, logo que me viu, correu aos meus braços chamando-me de papai”.


     Ela os reconheceu em 27 de setembro e, em 1° de outubro, trouxeram-na para Delhi.

Referências

(1) Notícia publicada na revista eletrônica The Times of Índia, em 04/10/05
Tradução: Arnóbio Albuquerque - Fortaleza-

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2020 / Desenvolvido por Leandro Corso