ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 88ª edição | 11 de 2011.

Divulgar com Eficiência

Por Alkíndar de Oliveira

Sete pontos básicos no uso do power point (final)

       Na edição passada, publicamos a primeira parte do artigo que contemplou os quatro primeiros itens, segundo o autor, como essenciais no uso das apresentações em power point. Relembremos: projetar um item por vez, evitar pular lâminas, não usar frases desestimulantes e evitar de servir-se de um auxiliar para clicar a tecla do computador. Vejamos, então, os últimos três.

V) No palco, preocupe-se com os posicionamentos seu e da tela.

    Algo que não pode ocorrer é o fato do orador ficar, momentos que sejam, entre o público e a tela (onde está sendo projetada a lâmina).  Nesta circunstância, o orador estará atrapalhando a visão do público. Este errado procedimento acontece com relativa frequência.
    Conheça o auditório. Procure chegar antes do público. Assim procedendo terá a oportunidade de se colocar no lugar físico dos espectadores. Se for preciso, sente-se em algumas cadeiras para ter a visão que o público terá. Pergunte a si mesmo se todos os espectadores irão bem enxergar a tela e que em nenhum momento você estará entre os espectadores e a tela presente no palco. Sente-se, inclusive, nas cadeiras da última fila para verificar se o espectador conseguirá enxergar bem o tamanho da letra. 
    Posições adequadas do orador e da tela. Em relação ao posicionamento no palco, os dois procedimentos mais adequados são: o orador fica na parte central do palco e a tela de projeção em um dos cantos num ângulo de 45° ou, então, ele fica em um dos cantos do palco e a tela na parte central.
    Outra questão importante em relação ao posicionamento da tela: sua altura em relação ao piso do palco. É preciso instalá-la de forma que a linha inferior da tela fique num ângulo em que a cabeça de nenhum espectador atrapalhe a visão de quem está sentado na cadeira logo atrás.  
    Claridade da sala ou do auditório. Muitas vezes, para que o espectador enxergue ainda melhor o que está projetado na tela, o orador solicita que as lâmpadas sejam apagadas. Este procedimento é inadequado e desnecessário, pois os projetores modernos foram fabricados com tecnologia apropriada para projetarem boa imagem em ambiente onde a claridade esteja presente.
    “Mas se apagarmos as lâmpadas, a imagem projetada vai ficar muito melhor”.  Isto é fato verdadeiro.  No entanto, o ambiente precisa estar o mais claro possível, pois deixa o orador bem visível ao público, o que é muito importante, e também faz com que o espectador fique mais receptivo à fala, o que não ocorre na penumbra. Para a eficaz comunicação, a projeção não pode ser mais importante do que o orador. Os organizadores de eventos precisam sempre colocar o orador em local bem iluminado. Uma exceção: quando se passam cenas de filmes, é conveniente deixar a sala na penumbra ou no escuro, pois nosso cérebro está habituado a, nos cinemas, assistir filmes no escuro.

   VI) O orador não pode fazer da projeção da tela seu roteiro.

    Há oradores que têm a projeção da tela como roteiro. Dois são os inconvenientes. Assim como o espectador não sabe qual é a lâmina que vem a seguir, o que é bom; o orador também não sabe, o que é péssimo, pois prejudica a fluência. A segunda inconveniência é o fato do orador estar sempre voltando o olhar para a tela de projeção, sendo que o correto é olhar à frente, onde está o público.
    É importante que o orador tenha um roteiro sobre o púlpito, pois quando estiver comentando a lâmina um, saberá qual é o conteúdo da lâmina dois. Este procedimento gera a possibilidade de grande fluência ao orador, o que ocasiona maior receptividade do público. Um tipo de roteiro bastante conveniente é aquele em que o orador imprime três slides por folha sulfite (o Power Point tem este recurso).

VII) Alguns cuidados na formatação da lâmina.

     A) Padrão de cores. É preciso que haja contraste entre a cor de fundo da lâmina e a das letras. As mais adequadas são: fundo preto ou azul escuro e letras brancas ou amarelas; B) Tamanho das letras. Evite inseri-las com tamanho pequeno. Uma referência de tamanho adequado: se a letra for tipo Arial, use no mínimo corpo 30. Óbvio que pode utilizar-se de outro tipo de letra além do Arial. Dou este exemplo apenas para servir como referência de tamanho mínimo das letras; C) Evite textos longos. As lâminas são o ponto de apoio de sua fala, e não o contrário. Nela devem constar os itens básicos e não o texto completo, pois este deve corresponder à sua fala.
     Como não há regra sem exceção, às vezes existem textos que precisam ser apresentados de forma completa. Por exemplo, o depoimento de um autor que ratifica sua fala. Distribua-os em mais de uma lâmina, com letras de bom tamanho. É comum e inadequado o orador inserir textos longos com letras pequenas em uma só lâmina. Evite este procedimento.
     Muita informação desinforma. Hoje o público agradece não pela quantidade de informações que passamos, mas pelas que deixamos de passar. Não há ser humano que consiga reter a quantidade de informações que recebemos todos os dias. Por isto o processo de filtragem do orador precisa ter como foco passar o essencial. E com qualidade. Para que, tanto na apresentação propriamente dita quanto no conteúdo das lâminas, seja atingido o objetivo de transformar dados em informação e informação em conhecimento.
     D) Evite diagramas ou desenhos com complexidade de entendimento ou visualização. O orador pode elaborar determinados diagramas que para ele é uma verdadeira obra de arte. Deleita-se com sua “criação”. Mas quase sempre são como um labirinto para o espectador.
     Para evitar este inadequado procedimento, tome o cuidado de colocar-se no lugar do espectador e imagine que ele nada entenda do assunto (mesmo que entenda). E procure elaborá-lo de forma que tenha passos sequentes lógicos e simples, além de cores apropriadas para diferenciação dos tópicos; E) Coloque título. A maioria das lâminas precisa ter títulos, os quais têm por objetivo sintetizar o que vem a seguir. Utilize poucas palavras. Necessariamente ele precisa ter cor diferente da cor das letras do texto; F) Sem fazer de sua apresentação um show pirotécnico, dê vida à lâmina. Não somente insira textos e símbolos, mas também imagens e movimento

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2019 / Desenvolvido por Leandro Corso