ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 116ª edição | 08 de 2016.

Lentes Especiais

O menino xenoglota

Relatamos uma notícia do ano passado sobre o menino Ramses Sanguino, cinco anos, que está intrigando médicos e pedagogos por já ser capaz de falar sete línguas, resolver problemas de matemática e discorrer sobre astronomia. Ele também é capaz de adivinhar quais os números que a mãe dela anota numa folha de papel longe de suas vistas. Com apenas 13 meses de idade já falava russo, fato comprovado em gravações feitas em sua casa na Califórnia, e aos dois anos dominava parcialmente o japonês e recentemente aprendeu o grego.

A Dra. Diane Powel, especialista em neuropsicologia, foi conhecer Ramses e o diagnosticou com característica de savantismo, quando o portador possui memória e capacidade de aprendizado extraordinário, mas com baixa inteligência de compreender o que foi aprendido. A doutora fez um teste: em uma folha de papel usou computador para designar números aleatórios para que ele adivinhasse, mas não houve êxito. Depois informou antes à mãe os números e o menino acertou 16 deles em 17. Enquanto os testes prosseguem, Ramses aprendeu a desenhar a tabela periódica e possui conhecimentos de hebraico, hindi e árabe. 

Na Doutrina Espírita aprendemos a respeito de muitos fenômenos cujas causas são ignoradas ou mal conhecidas pela ciência. Neles se enquadra o animismo produzido pela própria alma encarnada como a telepatia, a clarividência, os pressentimentos, a levitação, a transfiguração, o transporte de objetos às expensas somente da força mental.

Outra ordem de fenômenos são os mediúnicos propriamente ditos e aqui também podem aparecer novamente os pressentimentos e as inspirações, as materializações de objetos e seres animados, o aparecimento de luzes, ruídos, transportes de objetos.

No caso do garoto Ramses, há quem coloque em dúvida os fatos e até o profissionalismo da Dra. Powel, entretanto, podemos estar diante de fenômenos desta natureza, anímicos ou mediúnicos, ou mistos. O rápido aprendizado de temas complexos como idiomas, cálculos, astronomia podem indicar influência de entidades com fins específicos de mais uma vez chamar atenção da ciência oficial para a realidade espiritual. Mas pode também representar conteúdos de registros de vidas anteriores, caso muito comum com os pequenos gênios da música, pintura, medicina e outras ciências.

Guerra e paz

O jornal Mundo Espírita, ed. fev/16 informou sobre o menino americano de oito anos que passou por complexa cirurgia de 11 horas envolvendo 40 médicos para receber o transplante das duas mãos, isso porque ele as tivera amputadas tanto quanto os dois pés que gangrenaram após uma infecção. Também recebeu um rim.

Fato extraordinário não só do ponto de vista do progresso intelectual do homem, mas também pela motivação de todos os envolvidos no alívio do sofrimento alheio. Quantos recursos econômicos, quanta gente trabalhando por um só ser humano. 

E, de repente, a mídia informa que um grupo terrorista, já contumaz em estraçalhar vidas, voltou a atacar na Bélgica. Depois disso outro mais no aeroporto da Turquia, outro no Iraque. Como é fácil para eles matar e mutilar com uma só bomba e em poucos segundos!

Bem verdade que atualmente não é só a prática do Bem que requer o uso da inteligência, planejamento, organização. O Mal está sofisticado: recursos econômicos e humanos, recrutamento e treinamento, logística, internet.

Mas se o sentimento de amor às vezes demora aparecer e erguer-se em ações concretas como o do menino das mãos transplantadas, para o ódio o caminho é bem mais simples. Basta a ignorância e a maldade em estado puro.

O ambiente geral do planeta depende de nossas atitudes. Em qual lado jogamos? Para construir, unir, atingir ideais ou sempre insatisfeitos, queixosos, agressivos, contribuindo para a desarmonia familiar, com os vizinhos, colegas de trabalho, na rua? Seguimos a rota que leva à paz, à compreensão, à tolerância ou estamos sempre dispostos a insuflar a desconfiança, o temor que pisa e magoa, persegue e faz sofrer?

Lembremo-nos de que nos atos individuais ou coletivos, nas pequenas como nas grandes atitudes, estamos dando a nossa cota de contribuição ao mundo tanto pela paz como para a guerra.

Curiosos casos de mediunidade na TV

Num dos episódios do programa “Alienígenas do passado”, da Tv a cabo, abordou-se fenômenos algo ligados à mediunidade. Primeiro sobre Joseph Smith, fundador da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons) que teve revelação sobre a futura guerra civil americana. George Washington, primeiro presidente dos Estados Unidos, também recebeu a visita de um ser luminoso que falou do mesmo assunto e que a união do país estaria à prova.

Durante as guerras – segundo a apresentação - costuma aumentar os avistamentos de OVNIs (nas duas mundiais, na do Vietnã e na civil americana, por exemplo). Nessa última, houve sonhos proféticos e descrições de ‘presenças’ nos campos de batalha.

Como o assunto era contatos com o que o programa convencionou chamar de ‘extraterrestres’, foi abordado também a figura do presidente americano Abraham Lincoln que, além de realizar sessões mediúnicas na Casa Branca, previu a sua própria morte.

No mesmo dia, no programa anterior (“Contato extraterrestre”), foi narrado o caso do piloto mexicano que decolou para um voo para o qual não estava habilitado nem o avião. Depois de três horas pousou em Acapulco com mais combustível do que quando partiu (que seria insuficiente para chegar aonde chegou). Um especialista em medicina aeronáutica disse que o piloto ficou estressado pelo risco do voo em condições adversas, mas não explicou as questões da distância e do combustível.

Por sua vez, o controlador de voo do aeroporto de Acapulco foi entrevistado e disse que ao falar com o piloto, uma voz metálica informara que ele estava em estado hipnótico e que eles eram ETs. O controlador experimentou falar em alemão e o “piloto” respondeu em inglês e esclareceu que poderiam falar em qualquer idioma. Porém, o piloto, depois, informou que não sabia falar inglês.

Quanto aos outros fatos narrados, só confirmam mais uma vez a respeito da realidade dos fenômenos mediúnicos que ocorrem em todos os lugares e com todo tipo de pessoa e não só religiosas ou místicas. O problema é que ainda há muitos Tomés por aí que mesmo vendo preferem fazer de conta que eles, os fenômenos, não existem.

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2019 / Desenvolvido por Leandro Corso