ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 123ª edição | 09 de 2017.

O lado humano e falível do Antigo Testamento

Por Carlos Augusto de São José

O Espiritismo tem muitas restrições relacionadas ao Antigo Testamento. As religiões dogmáticas afirmam ser ele divino, incontestável, que tudo nele é perfeito... 

É óbvio que nossa intenção não é a de desmerecer a valiosa contribuição que os textos antigos oferecem aos bem-intencionados, sempre desejosos de alcançarem a verdade escoimando as partes falhas e recusáveis pelos erros que apresentam.

   Em muitos dos seus aspectos, o Antigo Testamento é uma fonte de inspiração que jorrou da mediunidade, como hoje tão bem conhecemos. No entanto, os médiuns não são e nunca foram perfeitos, como tão bem explica a Doutrina Espírita, de forma incontestável.

Exemplo vivo disso foi Moisés. Trouxe-nos os dez mandamentos, que, em um de seus itens, afirmou: “Não matarás” que é fator de orientação ainda para os nossos dias. Ele, o grande missionário, produziu leis que organizaram a estrutura socioeconômica e religiosa do seu povo, premiou-nos a razão com o Deus único, combateu a idolatria, chaga do paganismo.

        Mas temos de considerar, sem fanatismo, que o fabuloso médium, notável condutor do povo hebraico, em seu lado humano, derrapou no solo escorregadio da contradição. Em Êxodo – 21:29, manda matar o boi e o dono do boi que ferir alguém. No capítulo 32:25 a 28, Moisés manda executar impiedosamente 3.000 idólatras, deixando milhares de órfãos e viúvas. Em Números, capítulo 31, diz que Deus mandou vingar os filhos de Israel, pedindo a morte de mulheres e crianças medianitas... Há outros disparates dessa natureza na obra do Grande livro.

   Davi, que nos deu a maravilha de alguns salmos, apaixonou-se por sua escrava Batseba e mandou matar o seu esposo Urias para com ela adulterar (II Samuel, 11). Neste mesmo livro de Samuel, os filhos de Davi produzem um drama terrível, envergonhante. Amnom ama sua irmã Tamar e comete incesto (capítulo13). Absalão, o outro filho, mata o próprio irmão.

Salomão, inteligentíssimo, mas humano, que produziu a extraordinária beleza dos Provérbios, do Eclesiastes, dos Cantares, “tinha setecentas mulheres, princesas, e trezentas concubinas; que lhe perverteram o coração” (I Reis, 11).

 Elias, que mais tarde seria João Batista, determinou o extermínio de 450 sacerdotes de Baal do vale do rio Quison (I Reis, 18:40). Foi considerado um dos maiores profetas da raça.

 Há uma quantidade imensa de contradições que não desfilaremos por economia de espaço, ficando apenas numa. No início, consoante Gênesis, o primeiro livro do Antigo Testamento, só existia Adão e Eva, que geraram Abel e Caim. Caim, por inveja, matou Abel. No capítulo 4 encontramos “E saiu Caim diante da face do Senhor e habitou na terra de Node, da banda do oriente do Éden. E conheceu Caim a sua mulher que concebeu a Enoque (...)”. 

        Se só ficaram Adão, Eva e Caim, de onde saiu a esposa de Caim? Como explicar a existência do povo na terra de Node?

Deus de absoluta justiça e misericórdia, como todos concebem, jamais geraria esses absurdos. Tudo que de errado encontramos na Bíblia é de origem humana.

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2018 / Desenvolvido por Leandro Corso