ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 123ª edição | 09 de 2017.

Os entrevistados do bimestre no Diálogo Espírita

  • Fabiana Ferreira - SEMP Fabiana Ferreira - SEMP
  • Felipe Lemos, do Centro Espírita Ildefonso Correia e o apresentdor Jean Kulcheski Felipe Lemos, do Centro Espírita Ildefonso Correia e o apresentdor Jean Kulcheski
  • Leonardo Gonçalves da Silva, psicólogo e Coordenador de Juventude - SEMP Leonardo Gonçalves da Silva, psicólogo e Coordenador de Juventude - SEMP

Jean Kulcheski convidou três pessoas do Movimento Espírita de Curitiba para falar no programa de TV Diálogo Espírita durante os meses de julho e agosto.

A primeira foi Fabiana Ferreira, da Sociedade Espírita Os Mensageiros da Paz, que gravou para o programa 226, levado ao ar no dia 08 de julho e o assunto foi “Evangelização de bebês”.

Fabiana informou que esse tipo de trabalho, iniciado na casa que frequenta há quatro anos, já existe no Brasil há mais ou menos uma década em estados como Minas Gerais e Goiás. Cintia Vieira Soares, desta última federativa, foi a responsável, inclusive, pela implantação da dinâmica na Federação Espírita Brasileira há dois anos.

A faixa etária vai do período de gestação até cerca de três anos e é dividido em quatro módulos: integração (com música), conteúdo (de “A Gênese”, a formação do mundo e os milagres de Jesus), vivência e massagem (fortalecimento de vínculos). 

Como requisitos para a implantação, além de, preferencialmente, um espaço físico que possa ser dividido para os dois grupos (por idade), recomenda a utilização de algum material, entre eles os livros “Evangelização de bebês”, de Cíntia Vieira Soares e “Educação com sabor de eternidade – experiências bem sucedidas de evangelização”, de autores diversos e organização de Lúcia Moysés.

Outras informações a respeito podem ser obtidas no site www.searadomestre.com.br e, finalmente, a entrevistada recomendou a leitura do livro “Nossos filhos são espíritos”, de Hermínio C. de Miranda.

Fabiana também deixou o convite para os interessados em conhecer melhor o trabalho visitar a SEMP, aos domingos, das dez às onze horas, no endereço Rua Engenheiros Rebouças, 2519.

No dia 12 do mês seguinte, o entrevistado foi Felipe Lemos, do Centro Espírita Ildefonso Correia, no programa de n° 231. Com muita propriedade, ele falou sobre “Evolução Espiritual da Humanidade”, tomando por base o livro A Caminho da Luz, de Emmanuel, pela psicografia de Chico Xavier.

Explicou sobre a vinda dos capelinos divididos em quatro grupos que se juntaram aos dois nativos do planeta Terra, africanos e os asiáticos, e destacou a principal virtude e deficiência de cada um dos grupos visitantes: egípcios, hebreus, hindus e arianos. Também enfatizou o papel de Jesus, coordenando não só este processo, como responsável até os nossos dias pelo destino do planeta e de seus habitantes.

Ainda em agosto, mas no último programa do mês, no dia 26 – programa 233 – quem falou foi o psicólogo e Coordenador de Juventude, também da SEMP, Leonardo Gonçalves da Silva, e o tema foi “Adolescência e Suicídio”.

Falou sobre a “Baleia Azul” e uma série da Netflix e da importância de se discutir o assunto, considerado ainda por muitos como tabu, inclusive a imprensa que mantém um pacto de silêncio.

Citou os transtornos mentais, principalmente a depressão, casos precedentes na família e tentativas anteriores como fatores de risco. Lembrou a questão 385 de O Livro dos Espíritos sobre as mudanças que costumas acompanhar a fase da adolescência quando o espírito retoma a sua personalidade integral, até então, adormecida pelo processo reencarnatório.

Segundo Leonardo, o adolescente enfrenta três lutos: pela perda do corpo infantil, pela desmistificação das figuras dos pais heróis e a perda da condição de criança com as proteções com as quais já não pode contar.

Quando da pergunta sobre o que uma pessoa pode fazer quando percebe à sua volta alguém potencialmente suicida, o entrevistado disse que a melhor atitude é procurar a ajuda de alguém especializado.

Por fim, como a melhor fórmula de prevenção a essa prática nefasta entre os adolescentes, citou um instrutor de André Luiz no livro Nosso Lar que resumiu tudo na afirmação de que ‘o amor é o alimento das almas’.

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2018 / Desenvolvido por Leandro Corso