ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 69ª edição | 09 de 2008.

Desencarna o escritor e vice-presidente da ADE-PR Walter Baruffi

  • Registro histórico e agora de saudade: Walter Baruffi, primeiro à dir., com os companheiros da ADE-PR quando do lançamento deste jornal em novembro de 2005, postado justamente em frente à Casa Espírita que freqüentava. Registro histórico e agora de saudade: Walter Baruffi, primeiro à dir., com os companheiros da ADE-PR quando do lançamento deste jornal em novembro de 2005, postado justamente em frente à Casa Espírita que freqüentava.

Walter Baruffi nasceu em 15 de outubro de 1928, em Ribeirão Preto - SP, filho de Ubaldo Baruffi e Honorina Orlandini Baruffi, ambos de descendência italiana. Iniciou os estudos cursando o Ensino Fundamental, no Segundo Grupo Escolar e Colégio Progresso e o Ensino Médio no renomado Colégio Moura Lacerda.

Por influência dos pais, transferiu-se para Curitiba em 1949 onde prestou vestibular para Faculdade Federal de Medicina do Paraná, tendo completado o curso na turma de 1954. Desde então não retornou à sua cidade natal tendo adotado Curitiba como sua cidade para morar

Contraiu matrimônio em 1952, com Zélia Marins Carneiro, professora, poetisa e escritora, filha de Victor Ribas Carneiro, advogado, poeta e escritor renomado e da Sra. Maria Antonia Marins Carneiro, também professora.

Dessa união que completou 56 anos, nasceram três filhos: Lia Márcia Baruffi Machado, enfermeira e professora; Walter Baruffi Júnior, delegado da Polí­cia Civil do Paraná e Alessandra Baruffi, paramédica; e sete netos.

Em Curitiba iniciou como estagiário no Sanatório Médico Cirúrgico do Portão, no setor de Pneumologia, ao término do qual foi efetivado como médico tendo participado de cirurgias torácicas e cardíacas durante o perí­odo de um ano. Como médico plantonista residia no referido Hospital juntamente com sua família.

No Rio de Janeiro fez o Curso de Tisiologia Clí­nica, na Escola Nacional de Saúde do Ministério da Educação e Cultura por dez meses onde conviveu com os grandes mestres da Tisiologia e Pneumologia da época. Freqüentou o Curso de Aperfeiçoamento e Especialização em Radiologia Clí­nica da Tuberculose Pulmonar e outras Pneumopatias, do Departamento Nacional de Saúde; Curso de Estudos da Função Global Respiratória do Serviço Nacional de Tuberculose e Curso de Estágio em Cirurgia Torácica do Hospital Santa Maria, da Prefeitura do Distrito Federal.

De retorno a Curitiba, foi designado para exercer a função de Tisiologista no Sanatório São Sebastião da cidade da Lapa, onde foi chefe do Corpo Clí­nico e por duas vezes diretor dessa casa hospitalar. Idealizador e criador do Teatro do Sanatório São Sebastião para a recreação dos internos.

Reformou as instalações do prédio e idealizou e inaugurou o Hospital Infantil de Pneumologia e Tisiologia, anexo ao Sanatório. Designou as instalações usadas como moradia dos diretores como dependência ou clausura das funcionárias, irmãs de caridade que se encontravam até então mal acomodadas nas dependências antigas do Hospital. Promoveu melhorias substanciais na alimentação dos internos que se encontrava deficitária.

Construiu as instalações para reuniões periódicas da equipe médica, promovendo uma estreita relação de estudos com os profissionais do Sanatório Médico Cirúrgico do Portão para onde os internos eram transferidos quando havia necessidade de outros procedimentos.

Ainda na Lapa foi médico do Posto de Puericultura e da Maternidade Nossa Senhora da Luz. Nessa época veio à Curitiba para estagiar junto ao Hospital São Lucas, na área de anestesiologista. Por contar com inúmeros amigos lapeanos de prestí­gio polí­tico e social, voltados para a Assistência Social e fazendo da sua profissão um meio de dar assistência médica gratuita em seu consultório particular, angariou a simpatia dos menos favorecidos tendo sido eleito vereador por aquela cidade.

Anos mais tarde, pela necessidade de melhores condições de estudo para os filhos adolescentes, voltou a residir em Curitiba onde trabalhou como medico tisiologista no Sanatório São Carlos. Atuou no Dispensário Manoel de Abreu e na Secretaria de Saúde Pública, no Setor de Tisiologia e Pneumologia, quando foi convidado para o cargo de Assessor do Diretor Geral da Saúde Pública, nos 1º e 2º Distritos.

Foi bibliotecário da Sociedade Paranaense de Tisiologia e Doenças Torácicas. Participou de inúmeros Congressos Nacionais e Internacionais - inclusive no Equador e Argentina como convidado oficial - onde apresentou 51 trabalhos de cunho cientí­fico, a maioria compilados através de suas próprias experiências e de sua equipe. Atuou como médico na Penitenciária Central do Estado em Piraquara, atendendo aos reclusos no setor de Pneumologia.

Juntamente com a esposa, fundou ali um Grupo de Estudos da Doutrina Espí­rita que funcionou por quatro anos, onde tiveram a grata satisfação de ver seus esforços gratificados na recuperação de alguns detentos.

Atuou por 26 anos no Hospital e Maternidade Pinhais como Clí­nico Geral e Pneumologista; no Posto de Saúde do Weissópolis da Prefeitura Municipal de Pinhais; no Posto de Saúde Boa Vista de Curitiba e Hospital da Prefeitura Municipal de Tijucas do Sul sendo essa sua última atividade no ano de 2006.

Outras atividades. Tinha como hobby escrever poemas, romances e artigos espíritas, pescar, compor músicas, pintar quadros, esculpir em madeira, tocava harmônica de boca e piano. Autor da coluna Momento Espí­rita, do jornal O Estado do Paraná.

Estava aposentado pela Secretaria de Negócios da Saúde Pública do Paraná, após 54 anos de serviços prestados junto a esse órgão.

Em 1996 ajudou a fundar a Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná ADE-PR, tendo exercido os cargos de 2º tesoureiro e vice-presidente nas três últimas gestões. Expositor da Doutrina Espí­rita, vinculado à Sociedade Espí­rita Os Mensageiros da Paz. Como escritor deixou as seguintes obras: Gotas do Além, Pensando Poemas, Momento Espírita, vol. I e II, Nem a Morte os Separou e Em Busca da Perfeição, os dois últimos pela EME Editora.

Na madrugada do dia 25 de agosto, ele que já vinha com a sua saúde debilitada, sentiu-se mal e foi conduzido ao hospital onde teve três paradas cardíacas e desencarnou cerca de duas horas depois.

Nota 1: Os dados biográficos foram fornecidos pela sua esposa Zélia Carneiro Baruffi.

Nota 2: Não podemos deixar de registrar aqui a nossa resignada tristeza pela separação física do companheiro que, cumprida a jornada tão rica em realizações familiares, sociais, profissionais e espirituais, deixa um vazio difícil de ser preenchido. Desde a fundação da ADE-PR, há quase 12 anos, quando então conhecemos o Dr. Baruffi, como gostava de ser chamado, até a reunião mensal seis dias antes, esteve sempre trabalhando incansavelmente ao nosso lado, ombreando em todas as dificuldades, contribuindo financeiramente e principalmente com o seu trabalho. Discreto, sereno, sem espaço para críticas aos companheiros, oferecia-se para desempenhar quaisquer atividades, mesmo as mais humildes. Era voluntário nas Feiras do Livro, em dias chuvosos e frios; ajudava a organizar e vender os convites dos jantares beneficentes e de uma peça de teatro, carregava cadeiras, lavava louça, corria atrás de uma assinatura. O que precisasse era só pedir e ele não sabia dizer não, apesar da idade.

Pelo tanto que gostava desta instituição, temos certeza de que, de onde estiver, não deixará de lançar um olhar de solidariedade e encorajamento aos que ficaram, vibrando pelo seu sucesso na divulgação da Doutrina Espírita. Ao Dr. Baruffi, a nossa profunda gratidão e desejos de que sua nova etapa na caminhada evolutiva seja tão profícua como o foi enquanto esteve entre nós.

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2021 / Desenvolvido por Leandro Corso