ADE-PR: Associação de Divulgadores do Espiritismo do Paraná

Especial

Marca de nascença no menino Ian é evidência a favor da reencarnação. Assista o vídeo clicando aqui.

Jornal Comunica Ação Espírita | 117ª edição | 09 de 2016.

Quando a prata vale mais que o ouro

Das Olimpíadas – 2016 poderíamos destacar inúmeros fatos, bons, ruins, emocionantes, tristes e felizes, a maioria deles bem explorados pela mídia.

Fico aqui com apenas dois: um positivo e um negativo. Primeiro o positivo: encerrados os jogos, o medalhista de prata no lançamento de disco, o polonês Piotr Malachowski, resolveu leiloar a sua medalha para auxiliar uma criança de dois anos com câncer nos olhos cuja família não tinha condições de tratar do filho nos Estados Unidos. 

Infelizmente – disse ele - o esporte se mercantilizou muito nos últimos anos e hoje impera outro espírito, embora ainda haja esportistas solidários, com valores, que querem ajudar os demais e se envolvem em ações caridosas. Uma medalha é só um pedaço de metal, mas a saúde de uma criança vale muito mais.

A medalha, adquirida por um casal de empresários poloneses, arrecadou os 115 mil euros, mais ou menos 418 mil reais, necessários.

Agora vamos ver o outro lado. Causou indignação uma cena e posterior manifestação verbal do atleta Neymar da seleção brasileira de futebol após a conquista da medalha de ouro.

Explicando para quem não viu ou não soube. Primeiro ato: sem mais nem menos ele apareceu durante a cerimônia de premiação ostentando uma faixa na cabeça com a inscrição “100% Jesus”. É lamentável termos que presenciar uma cena de tamanho cinismo e hipocrisia. 

Todos já conhecemos muitos dos tropeços morais desse rapaz para engolir essa demonstração de farisaísmo barato. Com que intenção ele fez isso? Aparecer mais uma vez? Posar de bom moço, religioso? Ou atendeu ao pedido de alguém que teria sido muito infeliz ao escolher ele como canal de sua mensagem? 

Mas o pior ainda estava por vir. Para provar que tudo não passava de uma representação do “túmulo caiado” referido por Jesus onde a beleza e o brilho exterior ocultam sabe-se bem o quê, ele, Neymar, ao sair de campo, dirigiu-se a algumas pessoas que o haviam vaiado durante a partida e aos gritos deixou jorrar exatamente o que lhe vinha da alma. Palavrões pesados, assim como estava, ainda com a faixa bem visível na cabeça com os dizeres “100% Jesus”.

Logo ele, ídolo e modelo a ser imitado por tantas crianças e jovens. Ídolo de barro! Mas que acinte, que contradição, que blasfêmia, que vergonha!

Nós, espíritas, passamos ao largo da intolerância e do fanatismo religioso, mas não poderíamos deixar passar em branco uma situação vexatória como esta envolvendo o talentoso e cheio de prestígio capitão do selecionado brasileiro. E o mundo inteiro viu!

Receba em casa a versão impressa do jornal Comunica Ação Espírita

Assine agora mesmo

ADE-PR © 2019 / Desenvolvido por Leandro Corso